Eletrizante - Resenha de "Estilhaça-me", de Tahereh Mafi



Título: Estilhaça-me (Shatter Me)
Autor: Tahereh Mafi
Tradução: Bárbara Menezes
Editora: Novo Conceito

304 páginas

Minha ressaca literária desde que li "Outlander" ainda não passou, então saí em busca de livros bem diferentes dele, ára sair um pouco da Escócia de 1743 e mudar o foco para outro mundo, para poder me curar e voltar à Escócia depois.  
Em meio a essa busca desenfreada, encontrei "Estilhaça-me", primeiro livro da trilogia de mesmo nome, da autora Tahereh Mafi. E se eu queria algo bem diferente de "Outlander", consegui.
O livro é uma distopia*, se passa em um futuro onde os recursos são escassos e uma nova ordem de governo toma conta do planeta. Juliette é uma prisioneira. Ela fica isolada na prisão. Foi presa porque cometeu um crime terrível. Isolada porque seu toque pode matar.
Acostumada com sua rotina solitária, onde o único contato com outras pessoas é feito na hora de deixarem comida em sua cela, Juliette estranha o dia em que a porta se abre e ao invés da comida, se vê diante de um garoto. Aí então começa seu desespero: ela não sabe com qual propósito aquele garoto foi colocado lá. Será que ele ia matá-la? Espioná-la? Ou será que queriam que ela o matasse? A partir desse momento, Juliette não tem mais sossego e suas aventuras começam.
Não vou ficar me estendendo demais na sinopse para não estragar a surpresa. Eu tinha lido algumas resenhas desse livro e não me pareceram muito animadoras. Achei que fosse encontrar um livro chato, sem pé nem cabeça, clichê, mas de alguma maneira, "Estilhaça-me" me surpreendeu. É claro que tem a parte clichê, tem romance impossível, tem herói salvando a mocinha e todas essas coisas. Mas Juliette é uma mocinha diferente.
Talvez por causa da narrativa, que é feita em primeira pessoa, do ponto de vista da própria Juliette, a gente se sinta mais envolvido com as suas dúvidas, seus medos e receios, seus sentimentos. Ela começa o livro bem confusa e há a repetição de algumas palavras, várias vezes, que pode incomodar um pouco. Mas aí você tenta ser razoável e entender que uma pessoa que fica durante tanto tempo isolada, tende a ficar mesmo confusa.
Independente disso, a trama é muito bem conduzida. tanto que o livro acaba tipo fim do capítulo da novela, sabe? Com a gente querendo saber mais e ficando ansioso pelo dia seguinte para ver o resto? 
Gostei bastante, já estou lendo o segundo: "Liberta-me" e já já a resenha dele vem para cá também!
Por hoje é só!
Até a próxima!

*Distopia: é um pensamento filosófico que caracteriza uma sociedade imaginária controlada pelo Estado ou por outros meios extremos de opressão, criando condições de vida insuportáveis aos indivíduos. Normalmente tem como base a realidade da sociedade atual idealizada em condições extremas no futuro.Alguns traços característicos da sociedade distópica são: poder político totalitário, mantido por uma minoria; privação extrema e desespero de um povo que tende a se tornar corruptível. (Fonte:Significados.com.br)

Comentários

  1. Ju, sua gêmea aqui tem de confessar: nunca li uma distopia! Acho que o mais próximo que cheguei de uma foi quando assisti "Divergente". :) E, claro que gostei!
    Bom, vou pôr "Estilhaça-me" na minha lista de futuras leituras! Mais uma, oh God! rs
    Adorei a resenha! Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E a cada resenha nossas listas vão aumentando né, Malu?
      Espero que você goste deste!

      Bjosss

      Excluir

Postar um comentário