31 de março de 2015

Uma Tentação e Tanto - resenha de "Tentação ao Pôr do Sol", de Lisa Kleypas




Título: Tentação ao Pôr do Sol (Tempt me at Twilight)
Autor: Lisa Kleypas
Tradução: Débora Isidoro
Editora: Arqueiro
272 páginas
Livro 3 da série Os Hathaways

Sinopse: Poppy Hathaway está em Londres para sua terceira temporada de eventos sociais. Como nos dois anos anteriores, ela se hospedou com a família no hotel Rutledge. E, como nos dois anos anteriores, tudo indica que retornará a Hampshire sem ter encontrado um pretendente com quem se casar. Apesar de ser extremamente bonita e gentil, Poppy tem duas grandes desvantagens em relação às outras moças: sua inteligência deixa muitos homens acuados e o fato de vir de uma família tão pouco convencional faz com que os melhores partidos nem sequer a abordem. Mas o destino a coloca no caminho de Harry Rutledge, um homem de passado triste, que venceu na vida por conta própria e aprendeu a encarar tudo como um negócio. O dono do hotel não ama ninguém, confia em poucos e manipula todos. Porém, mesmo sendo tudo o que Poppy nunca almejou, ela não pode negar o fascínio que sente por ele. Quando Harry conhece Poppy, é tomado pelo desejo. Ele imediatamente tem a certeza de que a jovem será sua – e, para o bem ou para o mal, não mede esforços para que isso aconteça. 

A-M-E-I!!!!
Este terceiro livro dessa família é de longe o que eu mais gostei até agora.
Ele nos conta a história de Poppy, que parece ser uma menina que não se encaixa nos padrões da sociedade londrina, já que está há três temporadas à procura de um marido e ainda não o encontrou. Ao que tudo indica, Poppy é inteligente demais e nenhum cavalheiro gostaria de ter uma esposa que fosse mais inteligente que ele.

"(...) amor não tinha a ver com encontrar alguém perfeito para casar. Amor era enxergar a verdade da pessoa e aceitar todas as suas nuances, o bom e o ruim. 
Amar era uma habilidade".

Apesar de tudo, parece que ela já tem meio caminho andado, pois ama e é correspondida, por um jovem respeitável e de boa família que apenas precisa de tempo para dizer a seu pai que ela é o amor de sua vida. Ok.
Eis que um dia, por mero acaso, correndo atrás do furão de estimação de sua irmã Beatrix pelo hotel onde sua família se hospeda durante a temporada, Poppy acaba entrando onde não devia e dando de cara com o proprietário do hotel, o misterioso Harry Rutledge. Ela fica surpresa ao constatar que ao invés do "velho" Sr. Rutledge que ela imaginava, Harry é jovem e extremamente atraente.

"Além do mais, acreditava que merecia Poppy, Qualquer homem que tivesse a chance de ter uma mulher como ela e se deixasse deter por escrúpulos era um idiota".

E é assim que Harry se encanta por aquela garota atípica, diferente das damas da sociedade e decide que quer essa garota para ele. Acostumado a conquistar tudo o que quer, cria uma maneira de ter Poppy a caba conseguindo e eu não vou dizer de que jeito porque senão não vai ter graça nenhuma ler!

(...) ele só a queria se fosse fácil. Mas eu faço o que for preciso para ter você. Não porque seja bonita, inteligente, bondosa ou adorável, embora você seja mesmo todas essas coisas. Eu a quero porque não há mais ninguém no mundo como você, e não quero nunca mais começar um dia sem vê-la.

este livro foi surpreendente de diversas maneiras e acho que foi por isso que gostei mais dele do que dos outros dois anteriores, cujas resenhas vocês podem conferir aqui.
Primeiro ele nos revela a personalidade de Poppy, que até então não tinha ficado muito bem definida, já que nos outros livros ela aparece, mas não de maneira que a gente possa formar uma opinião sobre ela. E vou dizer: adorei Poppy! 
Segundo porque me apaixonei por Harry Rutledge, principalmente por ele ter essa característica tão "MisterDarcyca" que me encanta, que é a fragilidade escondida por trás de uma fachada aparentemente inabalável. Amei!

"Recusou-se a me beijar por diamantes, mas me beija por chocolates? - 
provocou ele com voz rouca. 
Poppy assentiu. Harry virou o rosto, mas não antes de ela perceber o sorriso que ele não conseguiu conter:
- Vou encomendar entregas diárias então."

Terceiro porque este livro nos dá um gostinho do próximo, revelando segredos sobre a vida de Catherine Marks, a dama de companhia das Hathaways, seu passado misterioso e sua atração/repulsão com Leo Hathaway. Resumindo: não tem como não gostar deste livro! Simplesmente demais!
Me faz querer atropelar minha fila e ler o quarto livro imediatamente. Mas vou dar mais um gostinho para o suspense e aguentar firme intercalando pelo menos um outro livro entre os dois.
Por hoje é só e até a próxima!

20 de março de 2015

Nada é tão fácil - Resenha de "Easy", de Tamara Weber

Fonte: Psycobooks


Título: Easy
Autor: Tamara Weber
Tradução: ?
Editora: Verus
308 páginas


Sinopse: 

Quando Jacqueline segue o namorado de longa data para a faculdade que ele escolheu, a última coisa que ela espera é levar um fora no segundo ano. Depois de duas semanas em estado de choque, ela acorda para sua nova realidade: ela está solteira, frequentando uma universidade que nunca quis, ignorada por seu antigo círculo de amigos e, pela primeira vez na vida, quase repetindo em uma matéria.
Ao sair de uma festa sozinha, Jacqueline é atacada por um colega de seu ex. Salva por um cara lindo e misterioso que parece estar no lugar certo na hora certa, ela só quer esquecer aquela noite — mas Lucas, o cara que a ajudou, agora parece estar em todos os lugares.
A atração entre eles é intensa. No entanto, os segredos que Lucas esconde ameaçam separá-los.
Mas eles vão ter de descobrir que somente juntos podem lutar contra a dor e a culpa, enfrentar a verdade — e encontrar o poder inesperado do amor.


Olá pessoal!

Depois de uns dias sumida - meu novo emprego anda consumindo todo o meu tempo e a dengue tomou conta da minha disposição - aqui estou para contar a vocês sobre mais um livro que furou fila e que eu acabei de ler.
Trata-se de "Easy", de Tamara  Weber. O livro é tão envolvente e a autora escreve de maneira tão fluída que eu o li em uma tarde de repouso (ontem), durante o feriado aqui na minha cidade.
A história gira em torno de Jacqueline, uma garota que seguiu seu namorado para a mesma faculdade, imaginando que os dois viveriam juntos e felizes para sempre, até que ele termina o namoro e ela se vê sem chão. Uma noite, ao sair de uma festa na faculdade, distraída, ela não percebe que tem alguém se aproximando e se vê de repente, sendo atacada por um garoto que tenta estuprá-la. Sem possibilidade de defesa, ela acha que está tudo perdido até sentir que o brutamontes é arrancado de cima dela e só conseguir entender o que está acontecendo quando a seu lado aparece um garoto misterioso que ela nunca tinha visto antes. Ele a escolta de volta ao dormitório, até ter certeza de que ela se encontra em segurança.
E é assim que Lucas aparece na vida de Jacqueline. Ao mesmo tempo, ela decide manter a história do quase estupro em segredo por receio de que ninguém acredite nela. Lucas, que até então era um desconhecido, passa a se fazer cada vez mais presente e Jacqueline começa a gostar dessa presença mais do que devia.
Por outro lado, devido ao término com seu namorado, ela passa um tempo desanimada e isso acaba interferindo em suas notas na aula de economia. Sendo assim, ela procura o professor e este sugere que ela frequente aulas de monitoria. Por causa de seus horários atribulados, ela só consegue interagir com o monitor das aulas, um tal de Landon, por email. E nessa interação ela passa a ficar cada vez mais ansiosa por esse contato, pois Landon parece um cara interessante e divertido. Ao mesmo tempo, Lucas vai se tornando mais próximo, seu ex namorado reaparece e seu agressor continua perseguindo... Enfim, é emoção que não falta mais nesse livro.
Eu gostei bastante. Esse gênero 'new adult' vem ganhado cada vez mais destaque na literatura. A leitura, como eu já disse é fácil e os personagens são tão envolventes que fica fácil da gente conseguir imaginar cada detalhe e torcer muito pelo casal. Tanto Jacqueline quento Lucas evoluem muito ao longo da história, compartilhando medos e segredos até o desfecho que não poderia ser mais perfeito.
Adorei!
Agora me resta ler "Breakable" e ver o que mais Tamara tem reservado para mim sobre essa linda história!

Por enquanto é só  e até a próxima!

8 de março de 2015

Resenha + Sorteio - "Em Busca das Borboletas" - Margarida Pizarro - Parceria com a Chiado Editora




Título: Em Busca das Borboletas (dois volumes)
Autor: Margarida Pizarro
Editora: Chiado
Volume I - 442 páginas
Volume II - 450 páginas


Olá pessoal!

Venho hoje apresentar a vocês, minha primeira resenha de parceria.
Trata-se do livro "Em Busca das Borboletas", dividido em dois volumes, da autora portuguesa Margarida Pizarro.

A história gira em torno de Maria Mendes, uma luso americana que sonha em conquistar seu espaço numa revista de moda. Ela vive em Nova York com suas duas amigas inseparáveis e tem uma vida aparentemente regrada, até que em seu caminho aparece Dale Sloan e vira tudo de pernas para o ar.
Vamos às minhas opiniões:

O primeiro volume nos apresenta os personagens, nos conta brevemente suas histórias, seus sonhos e suas lutas para conquistar seus ideais. Adorei a vibe de "O Diabo Veste Prada" que rola no começo, com a Maria querendo trabalhar em uma revista de moda, as descrições das roupas magníficas e ensaios fotográficos e até mesmo uma "Miranda" para botar defeito em tudo.

Não gostei de muitas coisas na Maria, meu balanço final depois de ler os dois livros é que não simpatizei com ela. Acabei gostando mais das amigas do que dela. Sei lá, tinha horas que ela chegava a me irritar de tanta infantilidade.

Também acabei não simpatizando totalmente com o Dale. No início, Maria se envolve com outro personagem que eu achei milhas de distância mais interessante do que ele. A atração entre os dois foi muito mais envolvente para mim do que a atração entre Maria e Dale. Para dizer num vocabulário mais simples, o outro personagem tinha pegada e o Dale para mim, não tem. 

"Eu sei que ele é o sonho de qualquer mulher.Mas por que é que será que não consigo amar cegamente ao ponto de querer ser dele, inteira, completa?"

Gostei demais do fato de Maria ter uma playlist pronta para tocar a qualquer momento. Ela tem trilha sonora para tudo! Nisso me identifiquei com ela. E gostei porque a autora compartilha as letras com a gente! Muito bom.

"Mas ali, naquele momento, mesmo não querendo, eu sabia que iria amar aquele homem para sempre e, mesmo que encontrasse alguém um dia, nunca iria amar desta forma."

Outro ponto muito positivo é a amizade de Maria e suas "mosqueteiras" como elas mesmas se chamam, que são inseparáveis, aquele tipo de amiga que está ali, sempre presente, para o que der e vier.

"Era impressionante como nós tínhamos sempre conversa. A nossa amizade era tão pura, livre de qualquer mal entendido...  Era impossível conseguirmos ficar muito tempo umas longe das outras..."

No segundo livro, a história já está bem mais desenvolvida, Dale e Maria já passaram por diversos altos e baixos e estão retomando suas vidas juntos. Aí vem o que eu mais gostei na história toda: ação! Bastante ação durante esse imprevisto que acontece, onde Maria finalmente deixa de ser boba e mostra sua inteligência, onde os segredos da família da Dale são revelados e para mim, a história poderia ter acabado ali que já estava ótimo! Teria acabado perfeitamente, no clímax e com tudo resolvida. Mas... a autora achou que ainda havia pano para manga e continuou, e continuou, e continuou...

"Estou ansioso por poder passar o resto da minha vida ao teu lado. 
Hoje é apenas o início, princesa. Amo-te."

Aí para mim ela caiu naquele mesmo defeito da Lesley Pearse quando resolveu continuar "Belle": muito barulho para nada. Não tinha necessidade de tanta história, de ir tão longe assim, de acrescentar mais sofrimento além dos que a Maria já tinha passado e ainda chegar no final e decidir matar um pobre coitado de um personagem que tava lá quieto no canto dele sem fazer mal a ninguém. Achei totalmente desnecessário.

  1. "...meu sentimento de amizade era tão forte, que me fazia acreditar que até nas amizades existiam almas gêmeas. Mesmo conhecendo-a há pouco tempo, parecia que éramos amigas de toda uma vida, de tão bem que nos sentíamos juntas."


No geral o livro tem ótimos aspectos que poderiam ser bem mais aproveitados se fossem enxugados e colocados em um livro apenas que acabasse naquela parte que eu falei. Nem que a autora fizesse um apêndice do tipo "Alguns anos depois" e contasse como ficou a vida de cada personagem, sem precisar se estender tanto. A leitura seria menos cansativa. E olha que para mim, quanto maior o livro, melhor. Desde que se tenha história para te envolver durante todas as milhares de páginas e esse, infelizmente, não tem.

O final é previsível, bem ao estilo de comédia romântica.
A capa do livro é maravilhosa! Sem nenhuma crítica com relação a isso e o título do livro fica bem explicado pela personagem principal e suas reações.
O livro é escrito em português de Portugal e exceto algumas palavrinhas diferentes, não é nada que atrapalhe a leitura.
No mais, essa foi a minha impressão. As pessoas podem ter opiniões diferentes da minha ao lerem esse livro.


A Chiado editora disponibilizou para nós, um exemplar do primeiro volume do livro para sorteio e eu estou aqui estudando uma melhor maneira de fazer esse sorteio sem precisar utilizar o facebook, então assim que eu conseguir entender o Rafflecopter ou algum outro jeito de sortear, volto com informações atualizadas sobre como e quando se realizará esse sorteio.

Por enquanto é isso.
Até a próxima!

4 de março de 2015

TAG: Oscar Literário 2015

Imagem: Literaleitura


Olá pessoal!!!

Aproveitando o Oscar, que aconteceu no último domingo, eu achei essa TAG super legal lá no blog Literaleitura e resolvi trazer para cá, para que a gente se divirta, premiando nossos livros e personagens preferidos do ano passado (porque se eu for fazer um Oscar de todos os livros que já li na vida, Harry Potter provavelmente vai sair com todos os prêmios na mão haha). Então, vamos lá:


Categoria 1: Melhor Arte de Capa

Indicados:
Terra de Histórias:O Feitiço do Desejo - Chris Colfer
O Pessegueiro - Sarah Addison Allen
Deslembrança - Cat Patrick
Divergente - Verônica Roth
Insurgente - Verônica Roth

Vencedor: Deslembrança - Cat Patrick

Depois de uma longa comparação e observação de detalhes, escolhi esta capa, porque ela é realmente linda. As letras brilhantes, a chuva de pétalas, a frase, a menina... Tudo lindo. Oscar de capa é dele.


Categoria 2 - Decepção Literária

Indicados:
O Inferno de Gabriel - Sylvain Reynard
Helena - Machado de Assis
A Verdade Sobre Nós - Amanda Grace

Vencedor: A Verdade Sobre Nós - Amanda Grace

Os três livros me decepcionaram de alguma forma. O primeiro porque eu esperava mais dele e ele acabou sendo mais do mesmo, um tipo de 50 Tons de Cinza mais suave; o segundo porque após muito fugir dos clássicos da literatura nacional que a escola obriga a gente a ler, resolvi dar uma chance e peguei logo o pior livro de todos. Detestei o final. Fiquei revoltada e vou demorar para ler outro clássico nacional outra vez. Agora, nada se compara a decepção do final do terceiro livro, nosso grande vencedor desta categoria. O livro tinha tudo para ser lindo, desde a capa, a história, o romance, a linguagem, as citações de Harry Potter e um cachorro chamado Lord Voldemort. Mas aí a autora deve ter olhado, lido e pensado "não, esse livro tá lindo demais. Acho que vou dar uma estragada nele". E assim, sem mais nem menos, ela jogou pela janela tudo o que tinha de lindo no livro e deu para ele o final mais feio possível. Foi a maior decepção do ano passado, superando até mesmo o "50 Tons de Mr. Darcy" que eu fui ler de curiosa e é um livro detestável de tão ruim. Amanda Grace, o Oscar de decepção é todo seu.


Categoria 3 - Melhor Mundo (Ambiente) Criado

Indicados:
Terra de Histórias:O Feitiço do Desejo - Chris Colfer
Outlander: A Viajante do Tempo - Diana Gabaldon
Alice no País das Maravilhas - Lewis Carroll
Trilogia "A Seleção" - Kiera Cass
Perdida/ Encontrada - Carina Rissi

Vencedor: Outlander: A Viajante do Tempo - Diana Gabaldon

O ambiente não é totalmente inventado, já que o livro se passa na Inglaterra e Escócia. O que fez Outlander ganhar esse Oscar, foram as colinas de Craigh na Dun e seu círculo de pedras misterioso, que transportou a Claire da Inglaterra de 1945 para a Escócia de 1743 e para os braços de Jamie Fraser. Não tem mundo que possa concorrer com isso, então Outlander, o Oscar é seu!


Quem é que não quer ser transportada para um "lugar" desses???



Categoria 4 - Melhor Final

Indicados:
Insurgente - Veronica Roth
A Menina Que Brincava com Fogo - Stieg Larsson
A Marca de Uma Lágrima - Pedro Bandeira

Vencedor: A Menina Que Brincava com Fogo - Stieg Larsson

Este foi um dos melhores livros que li no ano passado. melhor até que o terceiro da série, sua continuação. Quando eu terminei o primeiro da série, demorei bastante para ler o segundo. Quando terminei o segundo, foi traçado tão fantasticamente (essa palavra existe?), que eu não consegui dar muito intervalo entre os dois não. Muito bom, muito instigante e por dar sede de ler a continuação logo, o Oscar fica com você Stieg!


Categoria 5 - Melhor Personagem Secundário:

Indicados (Essa categoria era originalmente dividida entre personagens masculinos e femininos. Mas devido à ausência de personagens femininos secundários marcantes, juntei tudo num só)

Indicados:
Quatro / Tobias Eaton - Trilogia Divergente - Veronica Roth
John Knightley - Emma - Jane Austen
Chapeleiro Maluco - Alice no País das Maravilhas - Lewis Carroll

Vencedor: John Knightley - Emma - Jane Austen

Eu amo o Tobias. Foi um dos meus personagens favoritos do último ano. Amo o Chapeleiro Maluco, principalmente depois de sua versão Johnny Deep nos cinemas. Mass Mr. Knightley é meu segundo amor "Jane Austeno". Ele só perde para Mr. Darcy, que para mim será sempre único e inigualável. Por seu amor, por seu carinho, por sua gentileza, por seu cavalheirismo, o Oscar dessa categoria não tem como não ser dele.


Categoria 6 - Melhor Título

Indicados:
A Menina que Brincava com Fogo - Stieg Larsson
A Marca de Uma Lágrima - Pedro Bandeira
Tamanho 42 Não É Gorda - Meg  Cabot
A Verdade Sobre Nós - Amanda Grace
O Livro das Coisas Perdidas - John Connolly

Vencedor: Tamanho 42 Não É Gorda

Não vou aqui ficar explicando o óbvio. Este título ganhou porque é exatamente sobre mim que ele fala. hahahah


Categoria 7 - Melhor Série/Saga

Indicados:
Divergente - Veronica Roth
Liberta-me - Tahereh Mafi
A Seleção - Kiera Cass
Perdida/ Encontrada - Carina Rissi

Vencedor: Pedida/Encontrada - Carina Rissi

Amei! Me surpreendi com estes livros, me apaixonei e fiquei maluca quando descobri que a autora é brasileira!!! Prêmio mais do que merecido!


Categoria 8 - Melhor Protagonista (mais uma vez vou juntar masculino e feminino por falta de personagens masculinos nas minhas leituras do ano passado)

Indicados:
Beatrice Prior - Divergente - Veronica Roth
Lisbeth Salander - A Menina que Brincava com Fogo - Stieg Larsson
Heather Wells - Tamanho 42 Não é Gorda

Vencedor: Lisbeth Salander - A Menina que Brincava com Fogo

Não faz muito tempo, fiz uma lista com meu top 5 de personagens femininas favoritas e Lisbth entrou para essa lista para nunca mais sair. Ela é diferente de toda e qualquer personagem que eu já tinha lido antes e é incrível. Tá longe de ser perfeita e o mais próximo possível de um ser humano normal cheio de erros e acertos. Sem dúvida a personagem que se destacou nos livros que li no ano passado.


Categoria 9 - Melhor Autor

Internacional:

Lucinda Riley
Stieg Larsson
Meg Cabot
Veronica Roth

Vencedor: Stieg Larsson

Gente, o cara escreveu a sensacional trilogia Millennium, e o melhor livro que li no ano passado. Então não há dúvidas de que o Oscar, dessa vez, fica com ele. PS: Nem coloquei a Jane Austen na lista porque ela é intocável, inatingível e inigualável e qualquer competição que ela entre para mim, ea ganha. Então não seria justo. haha


Nacional:

Machado de Assis
Pedro Bandeira 
Carina Rissi

Vencedor: Carina Rissi

Eu só li esses três autores nacionais no ano passado. De achado, li "Helena", resolvi dar uma chance aos clássicos nacionais, detestei o final, tô traumatizada de novo e vou demorar para ler clássicos nacionais outra vez. Acho que Machado de Assis é realista demais para mim. Pedro Bandeira, para mim é intocável, tá no alto da minha pirâmide, além de todo e qualquer prêmio, inatingível, ali ao lado de Jane Austen no meu Hall da Literatura. E Carina foi uma grata surpresa. Li `"Perdida" de um dia para o outro, "Encontrada" logo em seguida e amei a escrita, o estilo, as histórias. Não tinha como esse Oscar não ser dela.


Categoria 10 - Melhor Livro

Indicados:
A Casa das Orquídeas - Lucinda Riley
Deslembrança - Cat Patrick
A Menina que Brincava com Fogo - Stieg Larsson
Outlander, A Viajante do Tempo - Dian Gabaldon
Perdida - Carina Rissi
Insurgente - Veronica Roth
Primeiro Amor - James Patterson e Emily Reynard

Vencedor: A Menina que Brincava com Fogo - Stieg Larsson

Como deu para perceber, li vários livros ótimos neste úlimo ano, mas o ano foi mesmo da trilogia Millennium, de Stieg Larsson. O vencedor desta categoria é o segundo livro da série, que originalmente não seria apenas uma trilogia, mas sim uma série com 11 livros, porém o autor faleceu precocemente, sem poder dar continuidade à história de Lisbeth Salander. O segundo livro foi o que eu mais gostei, pois é o que mais revela sobre ela, essa personagem tão misteriosa no primeiro livro, acaba revelada no segundo e no terceiro e a gente fica com sede de quero mais. Há rumores de que a viúva de Stieg pretendia continuar a série. Porém a pergunta que fica no ar é: será que ela consegue manter a mesma genialidade dos três primeiros livros? É aguardar para ver. Por enquanto, o Oscar é dele. Devo fazer, porém, uma citação ao livro Outlander, que me enlouqueceu, me tirou noites de sono e merece ser lembrado porque foi o segundo  melhor livro que li no ano passado.


Espero que vocês tenham gostado das minhas indicações e premiações e confiram depois o Oscar da Malu logo abaixo! Por enquanto, até a próxima e aguardem o Oscar do ano que vem!

***

Hey, gente!! Cheguei!! :) Como a Ju já faz as devidas apresentações da TAG, então vamos lá conhecer os candidatos e ganhadores do meu Oscar Literário? Aliás, muito chique isso né? rs

Categoria 1: Melhor arte de capa

Indicados:
Como eu era antes de você - Jojo Moyes
A verdade sobre nós - Amanda Grace
A garota que perseguiu a lua - Sarah Addison Allen

Ganhador: A garota que perseguiu a lua

Imagem do blog Pensamento Tangencial

Muito dificil fazer essa escolha, sério. Os três livros tem capas lindas. A do "A verdade sobre nós" inclusive é uma das minhas preferidas. Mas, em se tratando de um Oscar, vou dar o prêmio ao "A garota que perseguiu a lua". Apesar de não gostar desse gênero de literatura, a arte da capa do livro é simplesmente linda. As borboletas, a garota com o vestido branco e a lua ao fundo da floresta dão um tom delicado e ao mesmo tempo misterioso a história e junto com o título foi o que me fez baixar o livro e começar sua leitura. Em breve teremos resenha dele por aqui, fiquem ligados, tá?

Categoria 2: Decepção literária

Indicados:
A verdade sobre nós - Amanda Grace
Ladrão de Almas - Alma Katsu
A menina que roubava livros - Markus Zusak

Ganhador: A menina que roubava livros

Imagem do site: Eu crio moda
Inicialmente eu pensei em concordar com a Ju nessa categoria, já que "A verdade sobre nós" foi uma leitura no mínimo frustrante pra gente. Como ela bem disse, o livro tinha tudo pra ser estupendamente perfeito, mas ainda estou pra descobrir por que cargas d'água a autora quis dar aquele final pra ele... Mas, enfim, o fato é que apesar do final decepcionante a história é muito bonita e me prendeu do início ao fim, diferentemente do que me aconteceu com o "A menina que roubava livros". Sabe o que é você passar quase dois anos esperando a oportunidade de ter esse livro em mãos, e justamente quando isso acontece e você começa a lê-lo, a leitura simplesmente não flui, não rende? Bom, foi isso o que me aconteceu quando tentei ler "A menina que rouba livros". Sim, tentei, porque nem consegui passar das cem primeiras páginas. Triste, né?

Categoria 3: Melhor mundo (ambiente) criado

Indicados:
Outlander - Diana Gabaldon
Orgulho e Preconceito - Jane Austen

Ganhador: Orgulho e Preconceito   

Vamos lá... Dois romances de época simplesmente fantásticos com ambientes de uma beleza estonteante, certo? Pois é... Mas, vou dar o Oscar a "Orgulho e Preconceito" pelo fato de a história se passar num clima mais pacífico, digamos assim. As paisagens escocesas em "Outlander" - suas montanhas cheias de verde, vales e neblina - são lindas, todavia os conflitos entre os Mackenzie e as tropas inglesas são adrenalina demais pro meu gosto. Prefiro um milhão de vezes o ambiente mais romântico e bucólico criado por Jane Austen, e outras dez milhões de vezes o palácio de Pemberley e o seu lindo proprietário! hahaha

Pemberley - Arquivo pessoal


Mr. Darcy, o tal lindo proprietário!
 Categoria 4: O melhor final

Indicados:
Acontece que eu te amo - Edna Guedes
Claro que eu te amo - Tammy Luciano
Perdida - Carina Rissi
Encontrada - Carina Risse
Procura-se um marido - Carina Rissi
Orgulho e Preconceito- Jane Austen
Persuasão - Jane Austen

Ganhador: Persuasão

Nessa categoria a minha vontade é de dar o Oscar para todos, sério! Mas como só posso escolher um, optei por premiar "Persuasão", cuja história nos mostra que o sentimento, quando verdadeiro, prevalece acima de qualquer coisa. Anne e Frederick formam um dos mais lindos casais da literatura mundial, e se vocês quiserem conferir a resenha que fiz sobre esse livro é só clicar aqui, mas preparem-se. Vocês vao literalmente se apaixonar!  

Arquivo pessoal

Anne Elliot e Frederick Wentworth no filme Persuasão - Imagem do Google

Categoria 5: Melhor personagem secundário

Indicados:

Marcus/ Encontrada - Carina Rissi
Colin Bridgerton/O Duque e eu - Julia Quinn
Tomi/Uma noite e seis semanas - Tiago Morini

Ganhador: Tomi

Sabe aquele personagem que te cativa desde o primeiro momento? Assim é o Tomi em "Uma noite e seis semanas". Amigo, atencioso e apaixonado, ele desempenha um papel fundamental no enredo criado por Morini, que tenho certeza deve ter colocado toda a fofura do mundo quando criou o jeito de ser do Tomi.  Sério, gente, se fosse possível eu tiraria esse personagem do livro e o trazia para a casa, com direito a comida e roupa lavada. ...rs


Categoria 6: Melhor título

Indicados:

Orgulho e Preconceito - Jane Austen
Como eu era antes de você - Jojo Moyes
Faça Amor, não faça jogo - Ique Carvalho

Ganhador: Faça Amor, não faça jogo

Além de ter escrito um livro lindo, repleto de poesia e sensibilidade, Ique foi simplesmente o máximo quando deu esse título à sua coletânea de crônicas. Num mundo onde a superficialidade parece ganhar cada vez mais terreno enquanto a sinceridade fica a cargo dos que carregaram no peito a coragem de viver e amar, "Faça amor, não faça jogo" deveria ser o imperativo de todos, todos os dias. 

Foto: Vanessa Vieira - Blog Pensamentos valem ouro

Categoria 7: Melhor série/saga

Ok. Aqui eu vou fazer um adendo. Quem já acompanha o T&R sabe que não costumo ler livros sequenciados, tanto que tenho somente duas indicações: Perdida (Carina Rissi) e After (Anna Todd). Assim, eu vou, como a Ju, premiar Perdida, que além de ser uma serie com dois livros fantásticos, me apresentou ao casal  mais fofo da literatura nacional. Ian e Sofia ♥


Categoria 8: Melhor protagonista

Indicados:
Elizabeth Bennet e Mr. Darcy (Orgulho e Preconceito) - Jane Austen
Louisa e Will (Como eu era antes de você) - Jojo Moyes
Sofia e Ian (Perdida) - Carina Rissi
Alicia e Max (Procura-se um marido) - Carina Rissi

Sim, eu mudei um pouco a regra nessa categoria e indiquei casais protagonistas. É que não acho que - pelo menos nos livros que já li - um personagem principal seria o sucesso que é se não tivesse o outro ao seu lado. Tipo, como imaginar o senhor Darcy sem a Lizzy? Não rola gente, ao menos, não pra mim. Assim, a partir desses indicados a minha escolha super hiper ultra mega dificil é....

Ganhador: Elizabeth Bennet e Mr. Darcy

 
Google imagens


 

Categoria 9: Melhor autor

Indicados

Internacional:
Jane Austen
Agatha Christie
Dan Brown
Nicholas Sparks
Jojo Moyes

Ganhador: Jane Austen 

Minha escolha é bem previsível, mas ela não implica que eu goste menos dos outros autores, tá? Cada um deles tem uma forma de escrever maravilhosa dentro do seu gênero. Mas, é impossível não dar o Oscar a nossa grande diva inglesa.
 

 Nacional:
Machado de Assis
Pedro Bandeira
Carina Rissi


Ganhador: Carina Rissi

Não é à toa que Ju e eu nos reconhecemos gêmeas separadas antes dessa reencarnação... rs  Nossa escolha nessa categoria é a mesma. Meu Oscar também vai merecidamente para a Carina que se revelou a melhor escritora nacional dos últimos tempos. Seus livros nos encantam, emocionam, fazem rir, nos prendendo da primeira à ultima página. Todo sucesso do mundo pra ela!!!


 Categoria 10: Melhor livro

Putz! Eu sabia que essa hora ia chegar, a de ter que escolher o melhor livro que li ano passado, assim como sabia que minhas escolhas - indicações e ganhador - seriam obviamente previsíveis. Mas, enfim, são ossos do ofício, certo? Vamos lá então confirmar o que vocês já sabem, ou pelo menos imaginam... rs

Indicados:
Orgulho e Preconceito - Jane Austen
Persuasão - Jane Austen
Como eu era antes de você - Jojo Moyes

Ganhador: Como eu era antes de você
 
Inicialmente eu pensei em escolher Orgulho e Preconceito, mas escolhê-lo seria ignorar o sentimento que Will e Lou despertam em mim. Mesmo agora, quase um ano depois de ter lido "Como eu era antes de você", a história desses personagens mexe comigo a ponto de ainda não ter conseguido refazer a leitura para trazer a resenha dele aqui para o blog. Um livro estupidamente triste, mas, também, um livro lindo e por isso um dos melhores que já li.  

Imagem do Blog Belas Dicas

Bom, gente. Esse foi o Oscar 2015 do T&R, uma forma super bacana de refletirmos sobre nossas leituras e, ao mesmo tempo, de podemos mais uma vez compartilhá-las com vocês. Esperamos que tenham gostado e, se puderem, deem-nos um feedback a respeito das suas indicações e ganhadores.  Participem conosco comentando aí em baixo!! :) Agradecemos desde já!!!

Beijos,

Malu

Resenha: "O Duque e Eu" - Julia Quinn

"O Duque e Eu" fala de uma história de amizade que se transformando em amor tem o poder de resgatar o perdão e a paz dentro de um coração.

Imagem do blog Romances e Leituras
Sinopse: Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível. É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo. Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida.


***

Que os romances de época estão indubitavelmente entre os meus favoritos, isso é certo. O que eu não esperava era que os livros da Julia Quinn - que há muito me chamavam a atenção pela beleza das suas capas - fossem me encantar e me emocionar quase tanto quanto os da Jane Austen.  Pois é... "O Duque e Eu", o volume 1 da série "Os Bridgerton", me chegou às mãos no momento em que eu já estava mergulhada em três outros livros, mas logo me roubou toda a atenção. A história é simplesmente envolvente ao nos transportar para a Londres da primeira década dos anos de 1800, e é praticamente impossível a gente não se sentir parte daquele contexto que envolve bailes, salões, romances, duelos e casamentos. É esse o fundo da história escrita por Julia Quinn, que nos apresenta Daphne Bridgerton e Simon Basset como personagens principais.

Simon é o único filho e, portanto, herdeiro do Duque de Hastings. Isso não seria um problema se ele, quando criança, não tivesse sido rejeitado pelo próprio pai e, por conta disso, carregasse o ódio e o desprezo por tudo o que significasse a sucessão do ducado. Renegando o título e a memória do pai, é que Simon descarta veementemente a ideia de se casar e constituir sua própria família. Assim, quando retorna para Londres depois da morte de seu genitor e se vê obrigado a participar das rodas sociais, percebe que será muito difícil escapar das insistentes matronas londrinas que querem a todo custo conseguir um bom casamento para  as suas filhas. A solução para o seu problema lhe ocorre quando ele conhece Daphne, a filha mais velha da família Bridgerton e irmã do seu melhor amigo Antony. 

Daphne está na idade casadoura segundo os costumes da época, o que faz da sua vida praticamente um inferno uma vez que sua mãe deseja a todo custo vê-la subindo ao altar. Ao conhecer Simon, vê no plano dele não só uma oportunidade de ficar livre das boas intenções de sua mãe, como também a possibilidade de atrair para si as atenções de futuros e bons pretendentes. O plano? Simples: aparentemente Simon cortejaria Daphne e essa simulação de um compromisso salvaria a ambos; ele das investidas de outras mulheres, e ela da situação embaraçosa, não só junto à sua mãe, mas também juntos aos rapazes que geralmente só a enxergavam como uma boa amiga. O que nenhum dos dos esperava era que o que deveria ser uma mera encenação acabaria por ganhar a  força de um sentimento indescritivelmente intenso que os ligaria para o resto de suas vidas.

Preciso dizer algo mais além de que amei a história e de que vou correndo procurar o volume 2? Não, né? Então deixem-me ir e até a próxima!!! Beijinhos!!!