2 de setembro de 2014

Resenha: Se eu ficar (Gayle Forman)

Imagem: Google

Cento e cinquenta e seis páginas que eu teria devorado em menos tempo, se eu tivesse lido o livro de papel e não o pdf. Mas, enfim, o esforço de ter ficado quatro horas com os olhos grudados na tela do computador valeu super a pena. "Se eu ficar" é um livro cuja história traz páginas repletas de romance, drama, pitadas de humor e profundas reflexões sobre os principais temas que permeiam as dúvidas e o pensamento humano: o amor, a vida e a morte. Muito mais que uma história tipo aquelas que a gente lê, curte, mas ao final da leitura guarda na estante, o romance de Gayle Forman é instigante e desafiador, na medida em que nos leva a refletir sobre o impacto das nossas escolhas ao longo da vida, ainda que esta aparentemente tenha chegado ao fim, como foi o que aconteceu com Mia. Ela é uma adolescente às vésperas de terminar o ensino médio. Musicista, ela tem no violoncelo a sua grande paixão. Seus pais fazem o tipo "moderno" e, juntamente com Teddy, seu irmão que tem apenas sete anos, eles formam uma família relativamente feliz. A harmonia familiar, porém, não impede que ela se sinta como um peixe for d'água em relação aos pais e o irmão, pois em tudo ela é diferente deles.   
"Papai costumava brincar que provavelmente fui trocada na maternidade porque eu não me pareço nem um pouco com minha família. Todos são loiros, têm a pele branca e eu sou exatamente o oposto: cabelos castanhos e olhos escuros. Mas, à medida que fui crescendo, as piadas do meu pai sobre a troca na maternidade começaram a ter um significado maior do que ele esperava. Às vezes, eu realmente me sentia como se pertencesse a uma tribo diferente. Não era nem um pouco parecida com o meu pai extrovertido e irônico, nem com a minha mãe durona. E para completar, em vez de aprender a tocar guitarra, escolhi o violoncelo."
Imagem: Google
O contexto familiar de Mia é bruscamente rompido quando toda a família sofre um acidente de automóvel. É nesse momento que mergulhamos no drama da história e, confesso, foi exatamente esse drama que chamou minha atenção para o livro.  Mia, sem saber como, uma vez que se descobre em coma, percebe toda a realidade a sua volta: sua família está morta, enquanto ela - ou melhor, o corpo dela - permanece em coma na UTI de um hospital. Assim, num estado que nós espíritas chamamos de emancipação da alma ou desdobramento (pelo menos é essa a minha interpretação a respeito da experiência vivida pela personagem), é que Mia testemunha toda a aflição dos seus avós e parentes, mas principalmente de Adam, seu namorado, e de Kim, sua melhor amiga. É com esse pano de fundo que a história passa a se desenrolar; que Mia relembra os momentos mais marcantes da sua vida e, naturalmente, sofre com o fato de que, aconteça o que acontecer, nada mais lhe será como antes.

"Se eu ficar" traz, ao longo das suas páginas alguns momentos cruciais. O primeiro deles é quando os avós de Mia vão visitá-la na UTI e escutam de uma das enfermeiras: "Não duvidem nem por um minuto que ela consegue ouvi-los. (...) Vocês podem achar que são os médicos ou as enfermeiras ou todos estes equipamentos que controlam o show. (...) Nã-não. É ela quem controla o show. Talvez, ela esteja só esperando a hora certa. Por isso, conversem com ela. Digam que pode usar o tempo que for necessário, mas que volte, porque estão esperando por ela.". É a partir dessas palavras que Mia entra num doloroso conflito, pois ela começa a se dar conta que a escolha de "ir" ou "voltar" vai caber somente a ela.
"Mas como é que eu vou decidir isso? Como é que posso ficar sem mamãe e papai aqui comigo? Como é que posso partir sem Teddy? Ou sem Adam? Isso é demais para mim. Não sei nem mesmo como é que isso funciona, como estou aqui neste estado em que me encontro e nem como sair dele se for este o meu desejo. Se eu pudesse falar, diria que quero acordar, e, nesse caso, será que eu acordaria agora mesmo, neste exato momento? (...) Ouço as palavras da enfermeira de novo. Sou eu quem está no comando. Todos estão esperando por mim. Sou eu quem deve decidir. Agora sei."
O segundo momento, e esse quase me levou às lágrimas, foi ainda vivido entre Mia e o avô. Numa segunda visita à neta, as palavras que ele fala ao ouvido dela, meio que entregam-lhe a chave da sua libertação: "Tudo bem. Se você quiser partir (...). Todos nós queremos que você fique. Eu quero que você fique mais do que já desejei qualquer outra coisa na minha vida. (...) Mas esta é a minha vontade e vejo que talvez possa não ser a sua. Então, eu só queria dizer que entendo se você decidir partir. Tudo bem se tiver de nos deixar. Tudo bem se você decidir parar de lutar.".  Particularmente eu achei essa a parte mais bonita do livro, mais até que a próxima sobre a qual vou falar daqui a pouco. A capacidade do avô de renunciar à presença física da neta, depois de ter perdido o próprio filho, o neto e a nora, vejo como uma das maiores provas de amor que alguém pode dar. Frase feita ou não, difícil de se colocar em prática ou não, o fato é que só o verdadeiro amor liberta.

Imagem: Google
Sim, só o verdadeiro amor liberta. E essa ideia também está presente no desfecho do romance, quando Adam finalmente é autorizado a visitar Mia. Se encontrar a namorada naquele estado, ligada a inúmeros aparelhos hospitalares não foi nada fácil para ele, pior ainda seria perdê-la de vez. Ele a liberta, embora deixe claro que precisa que ela volte, viva: "Com a voz bem baixa. Ele não para de repetir: por favor. Por favor. Por favor. Por favor. Por favor. Por favor. Por favor. Por favor. Por favor. Por favor. (...) Por favor, Mia. Não me faça escrever uma música."  Se o livro tivesse terminado nessas palavras eu já teria me dado por satisfeita, porque é encantador o modo como a cena é descrita. Mas, como eu disse no início, "Se eu ficar" não é um simples romance. Na verdade, esse livro fininho é quase um tratado de reflexões sobre a capacidade do ser humano de superar a si mesmo, quaisquer que sejam as adversidades.
"Fique. (...) Não há como descrever o que aconteceu com você. Não tem nem um ponto positivo nisso. Mas existe um motivo para você viver. E não estou falando de mim. É só que... não sei. Talvez eu esteja falando besteira. Sei que estou em estado de choque. Sei que ainda não digeri o que aconteceu com os seus pais, com o Teddy... (...) Tudo que consigo pensar é em como vai ser uma merda se a sua vida acabar agora. Sei que a sua vida vai ser uma droga de qualquer jeito, depois do que aconteceu. E não sou tão idiota assim pra achar que posso desfazer isso ou que qualquer outra pessoa possa. Mas não consigo me conformar com a ideia de que você não vai envelhecer, de que não vai para a Juilliard tocar o violoncelo na frente de uma plateia enorme para eles ficaram tão arrepiados quanto eu fico toda vez que vejo você pegar o seu arco, toda vez que vejo você sorrir pra mim. Se você ficar, vou fazer tudo o que você quiser. Vou sair da banda e vou para Nova York com você. Mas se quiser que eu saia da sua vida, vou fazer isso também. Estava conversando com a Liz e ela disse que, talvez, voltar para a sua antiga vida fosse doloroso demais, e que talvez seja mais fácil para você simplesmente apagar todos nós da sua vida. Vai ser uma barra pesada para mim, mas posso aguentar. Aceito perder você desse jeito, se eu não perdê-la hoje. Vou deixá-la livre. Se você ficar."
Vai ser redundante dizer que amei e super recomendo esse livro, né? E dizer ainda que estou ansiosa pra ver o filme que vai estar nos cinemas a partir do dia 04 de setembro? Então, para terminar, só acrescento que se você ler "Seu eu ficar" provavelmente vai se encantar com uma história linda, que apesar de trazer como parte do enredo a realidade da morte, traz ainda e principalmente a reflexão sobre a importância da Vida, bem como do Amor e da Amizade para cada um de nós. Disponibilizo o trailer do filme logo abaixo para vocês. Até a próxima! Beijinhos!


12 comentários

  1. Ai Maluuuu
    já quase chorei lendo a resenha e só aumentou minha vontade de ler este livro, de ver este filme...
    Eu querooo! :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia, leia, leia Ju! Óbvio que ñ se trata de um OeP, mas ele ñ deixa de ser lindo! Super recomendo! ^^

      Excluir
  2. Oi, Malu!

    Antes de mais nada, adorei a repaginada que vocês deram no blog. Ficou lindo! E a frase lá em cima então? hahaha Bom, desde antes do lançamento quero ler "Se eu ficar", a história me parece encantadora e pelo que li na sua resenha ela realmente o é. Já quero!

    Grande Abraço!

    Visitem: http://legereoculis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Raimundo!
      Primeiro, obrigada pelo comentário a respeito do layout. :) Na verdade ainda não chegamos ÀQUELE definitivo, sabe? De experimentações em experimentações, a gente vai acabar encontrando um bem a nossa cara! Pelo menos, é o que desejamos! rs
      E, sobre o livro, eu também já queria lê-lo antes do filme, tanto que acabei fazendo isso pelo pdf! rs Gostei demais do romance, e acredito que você gostará também!
      Bjs!

      Excluir
    2. Pois é, Malu!

      Acho que isso é síndrome de blogueiro, nunca estou totalmente satisfeito com o meu. Sempre acho que posso melhorá-lo. rsrsrs...

      Beijo!

      Excluir
    3. Ah, mas o seu ta lindo do jeito que ta! ;)

      Excluir
  3. Já me interessei por este livro só pelo fato da personagem tocar violoncelo :) gosto de música clássica e estou começando a aprender violino. Gostei da sinopse. Parabens pela resenha bjus.

    http://magisbook.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confesso que não sou muito conhecedora da música clássica não, mas adoro todo e qualquer instrumento de corda! No livro, Mia toca violoncelo, o que me deixou super a fim de conhecer mais sobre o assunto! :)
      Obrigada pelo carinho da visita! Volte sempre! Bjs!

      Excluir
  4. Essa parte do avô me fez chorar horrores!!! Quando vi o filme, mais ainda! Fiquei aflita pela Mia quando ela descobriu que a decisão era dela, é algo muito duro para se pedir a alguém. A história realmente me encantou, é muito tocante. Já vi o filme também e, apesar de terem feito algumas alterações, ficou ainda mais emocionante! Espero que consiga assistir logo!

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aaaaah, Juuu! Eu também espero assisti-lo logo! Esse livro é lindo demais, e só o trailer já me deixou encantada.
      Assim que conseguir vê-lo, venho deixar minhas impressões por aqui!
      Obrigada pela visita, e tenha uma linda semana!
      Beijo!

      Excluir
  5. Oi, Malu!

    Voltando aqui pra dizer que te indiquei para uma TAG: http://legereoculis.blogspot.com.br/2014/09/tag-06-um-livro-e-um-filme.html. Você e sua parceira, "A Penseira". Fico esperando pelas respostas de vcs.

    Beijos!

    ResponderExcluir